Meu espaço

Aqui nada acontece (às vezes)

É só comigo que acontece mesmo…

Para variar, umas coisas tolas que só acontecem comigo…

Estava eu a editar um artigo na Wikipédia, e nele fiz alterações consideráveis (para não dizer enormes). Fazia tudo isso no próprio editor de wikitexto do site, mas aí ocorreu o infortúnio. Na metade de meu trabalho eis que a energia elétrica acaba! Maldição! Não sei como não gritei impropérios no momento, assim como não sei como não fiquei enfuriado.
Fiquei mesmo desesperado… como? Eu havia perdido assim todo o trabalho feito. Agora só posso voltar a editar em uma outra hora quando tiver paciência, qualidade esta que se encontra ausente em minha pessoa na maior parte do tempo.
Mas ainda não havia acabado…

Já que não havia energia elétrica decido dormir para descansar um pouco. Passava das 14 horas nesse momento. Pus então o despertador para tocar às 20:00 h.
Demorei ao menos uma hora na cama até adormecer, porém acordo com o som alto do vizinho a tocar música sertaneja…
Olho para o relógio e vejo: não era nem cinco e meia da tarde. Continuo deitado mas a música não para, e para “melhorar” a situação, a conversa alta “ajuda” em meu descanso. Passada meia hora, levantei, e vendo que a energia havia voltado, decidi ligar o computador, afinal não conseguiria dormir naquela situação. Sento na cadeira e aperto o botão de força. Notei então uma coisa: os sons haviam cessado.

Pensei comigo mesmo: “só faltava essa”, mas a verdade é que era isso mesmo. Onde estava o barulho? Tudo havia parado de imediato. Era um silêncio incomum, sem latidos dos cachorros, gritos de crianças, barulhos de motores… nada. E assim tive de amargar o resto do dia com dor de cabeça.

É triste ver como a Lei de Murphy funciona tão bem comigo!
Anúncios

9 de novembro de 2009 Posted by | Vida | , | Deixe um comentário

Que porcaria de semana!

O azar bateu na porta da minha casa. Sou azarado mesmo; como dizem alguns: "eu joguei pedra na cruz"!

Tudo começou na quarta-feira.
Eu acordei às 6:00, tomei uma xávena de chá e fui à faculdade. Chegando lá para minha aula de japonês, eis que fui acometido de um mal súbito que me deixou atordoado. Leventei-me no meio da aula e fui ao toalete. Lavei meu rosto e me sentei no vaso sanitário, esperando que eu melhorasse, porém me senti cada vez mais cansado, com dor de cabeça e ânsia.
Decidi então ir embora. Tentei fazer "cara dura" para que ninguém notasse muito o que se passava e após a professora autorizar minha saída, parti. Acabei até esquecendo um livro na sala de aula.
Durante minha ida para casa tive de parar três vezes para descansar, pois estava fraco. Chegando em casa notei que o chão embaixo do cavalete estava molhado e que água escorria da mangueira, então pensei que alguém tivesse aberto a torneira e usado minha água. "Só me faltava essa", pensei. Mal sabia que as coisas iriam piorar.
Tomei alguns analgésicos e melhorei. Mas eis que na quinta-feira à noite aparece a minha vizinha na porta de casa avisando que havia um vazamento em meu cavalete, que acabou infiltrando na casa dela e abrindo um grande buraco. "Ouch!", foi o que pensei no momento.
Liguei para a Sabesp e esperei durante toda a sexta-feira que eles viessem. Nada feito. Faltei na faculdade por nada.
A Sabesp apareceu no sábado de manhã. Abriram um buraco para consertar o vazamento, como vocês podem ver.

Cavalete

Agora estou esperando que eles venham segunda-feira para tapar o buraco. Espero que esse tormento acabe logo.

22 de março de 2009 Posted by | Vida | , | 1 Comentário